APRESENTAÇÃO

Desterritorializar, descentralizar e descolonizar. Por que dançar no fim do mundo?

 

O Entre Serras incentiva o deslocamento espaço-temporal numa perspectiva politica de investigar e praticar arte no campo, o que destaca o desejo de resgatar e reinventar valores deste contexto. Busca-se um diálogo com áreas do conhecimento que levem em conta processos holísticos e a construção de um modo de vida que enriqueça o sentido de autopoiésis. Deste modo, a permacultura, a ecologia profunda, o dragon dreaming, a comunicação não violentea, a economia solidária e outros saberes se integram a processos artísticos e alimentam questões estético-político-éticas na busca de soluções e ações que sustentem as mudanças dos paradigmas ambientais, econômicos e sociais atuais.

 

Partilhar o mesmo ar, o mesmo espaço e o mesmo tempo

Residir -  Resistir -  Ressignificar

Do êxodo artístico

 

Idealizado pelas artistas e dançarinas Carol Pedalino, Dasha Lavrennikov e Aline Bernardi, o Entre Serras: Residências Artísticas e Poéticas da Sustentabilidade, surge da necessidade e de interesses mútuos em expandir o fazer artístico para fora dos grandes centros em direção a uma política de projetos comunitários, ecológicos e sustentáveis. Nos últimos anos, Carol, Dasha e Aline semearam parcerias permeadas por vivências artísticas e comunitárias (residências artísticas, encontros de dança na natureza, performances, ações educativas e intercâmbios internacionais) que fomentaram uma base de trabalho em arte no contexto rural e a aproximação com questões locais, estimulando a criação de uma rede afetiva de troca de experiências.

 

Deslocamento como uma prática de ressignificação

Para que, quem, e como que eu estou criando, pesquisando e dançando?

 

Estar em residência artística é praticar a colaboração, o intercambio e o sentido de vida comunitária; é potencializar o encontro, fortalecer as redes, amalgamar conhecimentos e descobrir aspectos de si mesmo através do contato com o outro.  

 

Na ecovila Gamarra estabelecemos durante o Entre Serras uma comunidade artística temporária colocando em questão princípios de individualização x coletivação e estratégias de sustentabilidade social e econômica da arte contemporânea. 

Um mergulho profundo na criação

Recortar poesias na paisagem, no movimento das cores, dos sons, das luzes e formas da natureza.
 

O Entre Serras propõe uma expansão dos sentidos para abertura do campo da criação. Valendo-se da natureza abudandante do santuário do vale do Gamarra e do modo peculiar da vida rural, a residência pretende ser um lugar para se ver além do comum, para, sem distrações, mergulhar em questões próprias essenciais para o fazer artístico. Absorver o bem estar e transformá-lo em criação e poesia.

Um movimento sustentável e sustentado

Pesquisar o movimento sob os parâmetros do tempo dilatado do campo. 
 
Contrariando as práticas de fragmentação de tudo que vem junto com o sistema neoliberal (a especialização, a rapidez, a eficácia) evocamos a necessidade de perguntarmos e criarmos coletivamente práticas holísticas de trabalho onde a arte possa se fundir com o cotidiano e com os hábitos e as tarefas diárias. Como podemos criar políticas da sustentabilidade do ser, da relação com o outro e com o planeta? O projeto visa criar um ambiente onde a lógica da produção cultural é desconstruída para se criar um novo sistema de valores.   
Sustentabilidade pode ser pensada a partir de algo que tem durabilidade, algo que não se esgota, algo que deve gerar frutos e irradiar no tempo e no espaço.

Eco-corpo

O Entre Serras é um espaço de práticas e questionamento.

 

 

                     O Entre Serras é um lugar de imersão, troca e fortalecimento.

 
 

É um campo de experimentação e produção de ideias.

 

                                                                     É uma experiência coletiva e individual.


É um mergulho profundo na escuta e percepção.

Plantar, cultivar e nutrir. Que corpo é esse que pede uma reaproximação da terra?
 

O corpo urbano carrega marcas de informações imprimidas através de estímulos sonoros, visuais, olfativos e outros tantos que a cidade oferece. Em resposta e/ou em questionamento, corporeidades, ritmos e movimentos são produzidos nesta esfera onde o ambiente é determinante na criação artística. Se por um lado a estética urbana pode ser extremamente interessante, por outro ela pode ser o indicador da saturação do corpo impregnado de poluição e informações cibernéticas que o distanciam de fontes vitais. 

 

Partindo da ideia de um "eco-corpo", vamos investigar como o ambiente rural, a alimentação natural, a vida comunitária, a permacultura, a ecologia profunda e todo o  processo de busca de integridade do ser com o meio ambiente influencia na criação artística. 

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now